26 agosto 2015

Teorias: Alice Through the Looking Glass (2016)

Fonte: [www]

Não leia essa postagem se não tiver assistido ao filme Alice in Wonderland (2010), dirigido por Tim Burton.

Teoria sobre a sequência do filme. O mais completa possível, dadas as informações disponíveis no presente momento. Se surgirem mais, quem sabe uma parte dois não surge?
Vamos conferir?

Pelas primeiras imagens soltas a respeito dos bastidores [www], sabemos que o filme inicia-se com Alice desembarcando de seu navio, após sua viagem de negócios pela China (que é indicada no final do primeiro filme). Ela usa uma carruagem para ir embora dali. Ela pode ir para casa, mas também pode acabar indo encontrar-se com Lorde Ascot.

Sabemos que Alice acaba na mansão dos Ascot [www], e isso indica ou uma festa ou uma reunião de negócios. É na floresta atrás do território deles que se localiza a toca do coelho; a partir daí, ela volta ao Mundo Subterrâneo.
  • Não sabemos se ela vai por vontade própria, se McTwisp vai buscá-la ou se ela ouve falar de algo que a impulsiona a voltar. É provável que ela vá já com um objetivo em mente.

Chegando lá, descobre que o queridíssimo Chapeleiro está com sérios problemas [www, www, www]. Ele está "escurecendo", e ela não tem como ajudá-lo. Assim, desesperada, Alice volta-se para sua única esperança: o próprio Tempo.  
  • Isso quer dizer que o problema do Chapeleiro é irreversível e preocupante o suficiente para necessitar de uma viagem temporal. Alice provavelmente quer mudar o passado, para fazer com que o problema nunca chegue a existir, ou para tentar encontrar uma solução definitiva.

O tempo é uma criatura curiosa, metade humano e metade relógio [www, www]. Ele dá a ela uma série de avisos, dizendo que é impossível ganhar uma corrida contra o tempo, e que ela não é capaz de mudar o passado [www]. Ele ainda diz a ela: "você não pode mudar o passado, mas pode aprender com ele".
  • Quando o Tempo diz que é impossível ganhar uma corrida contra o tempo, pode estar se referindo ao fato de que o Chapeleiro tem um tempo de vida predeterminado. Ou seja, o desespero e a pressa de Alice são válidos. A palavra utilizada para se referir ao problema, "escurecendo", pode significar que ele está morrendo ou que sua loucura o está engolindo.
  • Com essa última frase, "você não pode mudar o passado, mas pode aprender com ele" o Tempo talvez esteja sugerindo que Alice não pode mudar o que aconteceu, mas pode encontrar vestígios de como acabar com o problema do Chapeleiro (encontrando, primeiramente, a origem dele).

Ao final, o Tempo acaba ajudando Alice, enviando-a ao passado. Lá ela conhece versões mais jovens dos personagens, e descobre o motivo de eles serem como são [www]. É confirmado que Alice vai se envolver com eles diretamente; sabemos disso por causa dos figurinos que ela usa [www, www]. Afinal de contas, como ela pode trocar de roupa sem se envolver com os demais personagens?

A viagem ao passado mostra, também, a forma como o Chapeleiro enlouqueceu [www]. Este é um ponto chave, dos mais importantes. Essa temática nos leva a crer que o problema do Chapeleiro é relacionado à sua loucura; os produtores do filme jamais colocariam algo desse nível na trama se fosse meramente decorativo.

Agora, temos alguns detalhes a serem interligados. Primeiro: embora o Tempo auxilie Alice, ele foi anunciado como um vilão [www]. Segundo: nos livros de Lewis Carroll, o Chapeleiro e o Tempo eram amigos, mas brigaram; desde então, o tempo do Chapeleiro nunca mais passou.
Concluímos as seguintes coisas: o Chapeleiro deve ter enlouquecido por causa do Tempo. Como o Tempo é o vilão, ele está na verdade manipulando a Alice, fazendo ela voltar ao passado de propósito, para fazer algo que será, muito provavelmente, a ruína do Chapeleiro.

Mas por que justo Alice? Se a teoria a respeito do Tempo manipulador estiver certa, então ele poderia usar qualquer um dos habitantes do País das Maravilhas, certo?
Errado.
Isso é mostrado no primeiro filme. Quando Alice encontra-se com o Chapeleiro, ele diz: "fui obrigado a matar o Tempo esperando o seu retorno. [...] De qualquer maneira, o Tempo ficou bastante ofendido e parou completamente". Em todo caso, pouco tempo após, o relógio volta a funcionar normalmente - como se a volte de Alice tivesse acionado o Tempo novamente. Se for isso realmente, então ela é especial.

Teorias a respeito do desenvolvimento (básico) da trama

Teoria nº 1
Alice vai ao passado e descobre tudo que aconteceu. Numa tentativa de salvar o Chapeleiro, intervém e muda os acontecimentos mais decisivos.

Teoria nº 2
Alice vai ao passado e descobre tudo que aconteceu, mas não altera nada. Ao invés disso, retorna ao presente e tenta consertar as coisas - munida, dessa vez, do conhecimento necessário.

Teoria nº 3
Alice vai ao passado, descobre tudo que aconteceu e acaba mudando os acontecimentos sem ter a intenção. Como não foi algo planejado, pode tanto ferrar com tudo quanto salvar o Chapeleiro.

Algumas outras especulações
  • Voltamos a falar de romance, como nessa postagem aqui. Como a trama gira em torno do Chapeleiro, o desenvolvimento de algo relacionado a isso tem grandes chances. Talvez haja a possibilidade de Alice apaixonar-se pelo Chapeleiro enquanto está viajando no tempo, gerando uma série de mudanças... (Embora eu não entenda como isso possa funcionar de um jeito benéfico dentro de um bom roteiro, é uma possibilidade que não deve ser descartada.)
  • A Rainha Vermelha, a Rainha Branca e o pai do Chapeleiro aparecem no filme. Isso não deve ser ignorado - provavelmente têm um papel importante no passado. Mas, por hora, não consigo encaixá-los. Basta esperar por mais informações.

Um comentário:

  1. Adorei a ideia do post de primeira, porque amo a história da Alice. Seja o clássico da Disney, a obra de Tim Burton, creepy pastas e até o jogo Alice Madness Returns... Todo esse mundo misterioso é cheio dessas teorias e eu amo saber mais sobre.

    A ideia de explorar mais à fundo a história do Chapeleiro é incrível, afinal, ele é um dos personagens mais querido da história. Gosto de pensar que Alice o salva do Tempo sem alterar o passado, pois assim seria mais emocionante... A ideia de ela se apaixonar pelo Chapeleiro não me parece muito agradável, mas quem sabe, não é? Não vejo a hora de poder conhecer o desfecho dessa história tão querida. Até lá, ficamos curiosas.

    Carinhosamente, Jheni. * e m p i r e k a w a i i & q u i n z e o u t o n o s *

    ResponderExcluir