25 fevereiro 2017

Ecoando

Pálpebras cerradas
adormecida sob a lua
Tantas almas fatigadas
nessa vida crua

Lágrima solitária,
vindo aqui repousar
Uma sorte ordinária
disposta a fazer-te sangrar

Fuja sob o sorriso da lua
abandone as ruínas deste coração
Corra sob a noite nua

Ao longe, ouve minha canção
E, para sempre sua
encerro-me em estrelada escuridão.

Nenhum comentário:

Postar um comentário